^ Voltar ao topo
(75) 3623-0940

Sintomas da Dengue, Zika e Chikungunya: saiba diferenciar

Sintomas da Dengue, Zika e Chikungunya: saiba diferenciar

A dengue já é uma velha conhecida dos brasileiros, assim como outras doenças transmitidas pelo aedes aegypti, como a zika e a chikungunya. Mas por conta da atenção direcionada a um mal maior, a pandemia do novo coronavírus, muitos estão distraídos deixando os cuidados necessários para trás.

O início do ano, devido a elevação da temperatura e das chuvas intensas, costuma ser o período mais crítico dos casos da doença, e é quando vemos grandes campanhas e mutirões. Mas, graças às circunstâncias anormais, poucas campanhas estão sendo direcionadas à educação e prevenção da dengue, zika e chikungunya.

Apesar de não ser comparável ao número de casos da Covid-19, muitas cidades brasileiras estão apresentando um crescimento significativo em comparação aos anos anteriores. Além das consequências geradas pelas doenças, as autoridades se preocupam com a alta procura por atendimento médico em meio a pandemia.

Apesar dos sintomas da dengue, zika e chikungunya serem semelhantes, é importante estar atento para as diferenças entre eles. Lembramos também da importância da prevenção, eliminando focos do mosquito aedes aegypti.

Continue lendo e confira!

Doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti

O aedes aegypti é considerado um mosquito “doméstico”. Isso porque ele se aloja próximo e até mesmo dentro de domicílios, em locais de área urbana com grande densidade populacional.

Além das doenças citadas neste artigo (dengue, zika e chikungunya), o mosquito aedes aegypti também é transmissor de outra doença conhecida dos brasileiros, a febre amarela.

No entanto, ao contrário das outras doenças, a febre amarela já possui uma vacina e por isso não é considerada como um potencial de surto epidemiológico. O Brasil, por exemplo, não registra um caso de febre amarela urbana desde 1942 (Fonte: Diretoria de Vigilância Epidemiológica)

Diferenças entre dengue, zika e chikungunya

Como já dito anteriormente, os sintomas da dengue, zika e chikungunya são muito semelhantes. Costumam aparecer em fases agudas e todas podem causar sensação de mal-estar geral, como febre e dores pelo corpo. Em qualquer dos casos, os sintomas demoram de 3 a 15 dias para se manifestar.

As doenças se diferenciam, principalmente, em relação a intensidade dos sintomas. A dengue causa febre e dores de cabeça mais intensas do que as outras. Já a chikungunya causa inchaço e dores nas articulações quase que incapacitantes, enquanto as dores da dengue e da zika são leves.

A zika é a mais complicada de se reconhecer, isso porque ela raramente apresenta os sintomas. Na maioria dos casos, ela é silenciosa e tem cura espontânea. No entanto, quando em sua forma mais grave, pode causar sérias complicações neurológicas como encefalites, a síndrome de Guillain Barré e a microcefalia. Mulheres grávidas devem estar muito atentas caso sejam infectadas durante a gestação.

Para se manter informado, veja um quadro comparativo das semelhanças e diferenças entre dengue, zika e chikungunya:

 163189857_786520751972473_8345776456066454170_n (1).png

 

Possíveis complicações

Todas as doenças transmitidas pelo aedes aegypti podem causar complicações graves, no entanto, como já mencionamos anteriormente, é a Zika que demanda maior atenção, principalmente durante a gravidez.

A principal preocupação é com o mal desenvolvimento fetal, acarretando em microcefalia. Infelizmente ainda não foram encontradas as medidas eficazes para tratar a gestante ao mesmo tempo em que se protege o feto.

A dengue pode causar choques circulatórios, hemorragias, hepatite e encefalite. As complicações a partir disso são diversas e incluem: insuficiência hepática, hemorragia digestiva, derrame pleural e até mesmo o óbito.

Já a chikungunya pode ser considerada mais tranquila. O pior dos casos é a demora na resolução dos sintomas, que pode atrapalhar atividades diárias. Além disso, pode acontecer a reativação da doença depois de um período de melhora.

Como combater a dengue, zika e chikungunya

O Aedes Aegypti é apenas um vetor de transmissão do vírus. Ele se contamina ao picar alguém já infectado e infecta outras pessoas mais tarde.

A transmissão é feita pela fêmea que deposita os ovos em recipientes com água. Portanto, a melhor maneira de evitar a transmissão da dengue, zika e chikungunya, é impedir a procriação dos mosquitos.

Para isso, é recomendado tomar cuidados para evitar água parada. Veja a seguir:

  • Manter a caixa d’água bem fechada;
  • Retirar tudo que possa entupir a calha da casa;
  • Preencher com areia vasilhas de plantas e pneus;
  • Instalar telas em ralos e tampas para impedir a entrada do mosquito;
  • Fazer a manutenção adequada da piscina, caso tenha;
  • Garantir que não exista nenhum foco de água parada nas proximidades da sua casa.

Mesmo durante a pandemia de coronavírus, o aedes aegypti não dá trégua; por isso, faça mutirões e colaborações entre os residentes da sua rua e bairro. É fácil e não custa nada lembrar! Em menos de 15 minutos é possível fazer uma varredura e acabar com os ambientes propícios para o mosquito.

O que você achou deste conteúdo? Ficou claro quais são as doenças transmitidas pelo aedes aegypti e as diferenças entre dengue, zika e chikungunya? Se você acredita que faltou alguma informação, fique a vontade para deixar o seu feedback nos comentários.

Você gosta deste tipo de conteúdo? Aqui no blog da Pax Bahia você encontra tudo sobre saúde e bem-estar. Assine a nossa newsletter e acompanhe tudo em primeira mão!

Atendimento

Av. Sampaio, Nº 296, Centro
Feira de Santana - BA - 44125-280

(75) 3623-0940 / 3485-1210

paxbahia@paxbahia.com.br

Clique para ampliar